Quatro pessoas da mesma família são mortas em Alvorada

De acordo com moradores, houve um intenso tiroteio no local por volta de meia-noite.

Quatro pessoas da mesma família foram encontradas mortas após um tiroteio nesta segunda-feira (8). Conforme a Brigada Militar, o quádruplo homicídio ocorreu na rua Guaíba, bairro Chácara do Tordilho.

De acordo com moradores, houve um intenso tiroteio no local por volta de meia-noite. A Brigada Militar foi chamada através do número 190. Ao chegarem ao local, os PMs encontraram as vítimas já mortas, com marcas de disparo de arma de fogo em duas casas da mesma rua.

Uma das vítimas foi encontrada caída em via pública, duas no interior da residência e a quarta caída em um pátio. As vítimas foram identificadas como Samara de Lourdes Alves Tormes, 41 anos; Paulo Sérgio da Silva Ferreira, 38; Leandro Tormes, 35 anos; e Sabrina Alves Faller, 24.

Conforme a Polícia Civil, a primeira casa foi invadida por criminosos armados. Eles mataram Paulo Sérgio e obrigaram Sabrina a levar os bandidos até onde estavam Samara e Leandro. Após isso, a jovem e executaram os pais dela.

Duas crianças que estavam na residência e testemunharam os homicídios. Elas nada sofreram.

Área conflagrada
De acordo com a Polícia Civil, Samara tinha antecedentes por lesão corporal. Paulo Sérgio tinha passagens por descumprimento de medida protetiva, ameaça, estupro, roubo, furto, entre outros. Leandro também era fichado, com registros por roubos e furtos. Apenas Sabrina não tinha passagens pela Polícia. Nenhum tinha passagens por tráfico de drogas.

As casas onde ocorreram os homicídios foi isolada para os trabalhos da perícia. O caso foi registrado na DPPA (Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento) de Alvorada.

Conforme o delegado Edimar Machado, a principal suspeita é que as execuções tenham sido motivadas pelo tráfico de drogas. Outras hipóteses, porém, não são descartadas. A área onde ocorreu a chacina é conflagrada.

Essa é a sexta chacina a ocorrer no Rio Grande do Sul em 2019. Vinte pessoas morreram apenas nesses crimes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *