Praça Central de Alvorada sofre com descaso e assusta frequentadores

Principal ponto de lazer do município, a praça que fica no Centro do município está com mato alto, lixo espalhado e obras por fazer

Quem chega em Alvorada pela Avenida Getúlio Vargas certamente passa pela parada 48, na região central da cidade. No trecho, além de boa parte dos prédios públicos da cidade, como a prefeitura, câmara de vereadores e o batalhão da Brigada Militar, está a Praça Central. Mas em um espaço com gramado, bancos, quadras poliesportivas, equipamentos de ginástica e até um palco, o descaso é que se destaca.

Na área mais próxima à Rua Contabilista Vitor Brum, onde também está o Fórum Central, a grama virou matagal. Há, ainda, garrafas pet e até cadeira de praia usada pelo chão. Duas quadras poliesportivas – inacabadas, faltam as goleiras e cestas do local – estão cercadas pelo mato.

A Praça Central conta ainda com equipamentos de ginástica. Entretanto, parte deles não funciona – está quebrada ou tomada pela ferrugem. O que ainda está em condições de uso são os bancos, de onde os frequentadores observam os estragos se acumulando.

– Essa academia ao ar livre deveria ser mantida sempre em funcionamento, para que os moradores pudessem usar. Mas, sem manutenção, olha como ficou – aponta o comerciário aposentado Leonardo Souza da Silva, 60 anos.

Aos 74 anos, o metalúrgico aposentado Carlos da Silva, também costuma passar Praça Central com frequência. Enquanto aguarda o horário de um compromisso sentado em um dos bancos, diz que a conservação do parque é uma amostra do que os moradores enfrentam no resto da cidade:

– Aqui é o centro, a entrada da cidade, e está assim. Imagine dentro dos bairros mais pobres, onde a manutenção é ainda menos frequente.

Banheiros precários

Enquanto circula no local com a mãe, Maria Gottlied, 64 anos, e com filha Yasmin, um ano e dois meses, a manicure Deise Brum, 32 anos, cita o banheiro público com o pior ponto. Ela, por exemplo, diz que não tem coragem de usá-lo por causa do mau cheiro e da sujeira. Outro fator é a insegurança, que faz as pessoas frequentarem mais a área próxima da Avenida Getúlio Vargas, não o interior do parque.

– Depois que escurece, nem dá para passar pelo meio da praça – aponta Deise.

Durante a visita da reportagem, o Diário Gaúcho presenciou um homem urinando no Praça Central. Mesmo com o batalhão da BM a poucos metros do local, ele não se intimidou.

Consertos sem previsão

Em nota, a prefeitura de Alvorada diz que existe um projeto para revitalização da Praça Central, porém ainda não há viabilidade financeira para iniciar a obra. O serviço incluiria o término das quadras poliesportivas. Sobre a condição dos banheiros e da academia pública, o município alega que não há previsão para conserto e nem para entrega do novo banheiro público em construção no local.

A administração garante que, diariamente, equipes da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SEMSU), têm realizado a limpeza da praça e avenida principal. Mesmo que a visita da reportagem tenha ocorrido em uma sexta-feira, o município diz que o acúmulo de lixo ultrapassa o habitual em dias excepcionais, como finais de semana ou feriados.

Em relação à capina dos pontos próximos ao Fórum, a prefeitura não respondeu.

fonte Gaucha ZH

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *