Motorista morto em assalto comprou carro há um mês para fazer corridas por aplicativos

O motoboy Luis Fernando Rodrigues Dorneles, 41 anos, foi assasinado após deixar passageira no bairro Formoza, em Alvorada

Há menos de um mês, Luís Fernando Rodrigues Dorneles começou a fazer corridas como motorista de aplicativo. Na segunda-feira à noite, após finalizar uma viagem pela Uber na Rua Fernão Dias, em Alvorada, foi assassinado. Aos 41 anos, a vítima também era motoboy e havia comprado o carro para transportar passageiros e completar a renda da família. Pai de três filhos, o condutor também viu no aplicativo a oportunidade de pagar o financiamento da casa própria onde morava, no bairro Mário Quintana, na Zona Norte de Porto Alegre.

De acordo com a Polícia Civil, dois criminosos anunciaram o assalto com a intenção de levar o Geely EC7, que estava com Dorneles havia pouco tempo.

A vítima tentou fugir quando foi atingida pelos disparos dos criminosos. O carro ainda colidiu no muro de uma residência.

O assassinato foi logo após Dorneles encerrar uma corrida. Conforme a investigação, o condutor pegou a passageira na Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, na zona norte da Capital, e a deixou na rua onde foi assaltado, no município limítrofe. O delegado Luís Carlos Rollsing tem algumas características da dupla, mas admite dificuldade na investigação pela ausência de câmeras e testemunhas.

— A gente tem uma testemunha, que nos deu alguns dados, mas por enquanto ainda não temos a identificação dos autores — disse Rollsing.

Na tarde desta terça-feira (7), um dia após o assassinato, dezenas de colegas do condutor fizeram carreata com buzinaço pedindo justiça. A manifestação partiu da região do Porto Seco, na zona norte de Porto Alegre, até o cemitério São Jerônimo, em Alvorada, onde ocorreu o enterro da vítima. No trajeto, colegas de aplicativo recolheram dinheiro para ajudar a família a se manter.

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 07.05.2019. Protesto reúne motoristas de aplicativo no Porto Seco, zona norte de Porto Alegre, após assassinato em Alvorada. (FOTO: FÉLIX ZUCCO/AGÊNCIA RBS)

Motoboy e parceiro de futebol, Adilson lamentou a perda do amigoFoto: Félix Zucco / Agencia RBS

O também motoboy e motorista de aplicativo Adilson Marques jogava futebol com Dorneles há cinco anos. Acompanhando a carreata de motocicleta, lamentou a perda do amigo.

– Ele desfalcou nosso time. Era nosso lateral direito. Não há palavras para descrevê-lo, a pessoa mais tri que conhecia.

Marques também brincou com as habilidades que o amigo gremista desenvolvia – ou tentava – em campo.

– Ele não era grande coisa, mas era esforçado. Queria que ele estivesse aqui escutando para a gente dar risada junto – completou.

Empresa se manifesta e presta solidariedade

Procurada, a Uber se manifestou por meio de nota informando que “lamenta profundamente que motoristas parceiros sofram com a violência e brutalidade que permeiam nossa sociedade. Nossos sentimentos estão com a família do motorista neste momento tão difícil. A empresa permanece à disposição das autoridades para apoiar as investigações, nos termos da lei.” A empresa ainda disse que “a Segurança é prioridade para a Uber e a empresa está sempre buscando aprimorar sua tecnologia para fazer da plataforma a mais segura possível de uma forma escalável. Em 2018, a Uber passou a adotar no Brasil o recurso de machine learning, que usa a tecnologia para bloquear viagens consideradas mais arriscadas e lançou uma ferramenta que reúne os recursos de segurança para motoristas parceiros, inclusive um botão para ligar para a polícia em situações de risco ou emergência diretamente do app.”

 PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 07.05.2019. Protesto reúne motoristas de aplicativo no Porto Seco, zona norte de Porto Alegre, após assassinato em Alvorada.FOTO: FÉLIX ZUCCO/AGÊNCIA RBS

Motoristas realizaram carreatas nas ruas de Porto Alegre e AlvoradaFoto: Félix Zucco / Agencia RBS
fonte: Diário Gaúcho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *